quinta-feira, 30 de abril de 2009

VoU sEcAr P'rÓ mEu VaRaL!!!

Gaby-chapéu-de-chuva a secar no varal


Depois de tantos dias cinzentos e de chuva (onde está o" Abril em Portugal"??? Este ano fez-se jus ao "Abril, águas mil"), acho que virei guarda-chuva!!!!!!!!!
Com perspectivas metereológicas de melhorias com temperaturas a subir, nuvens a fugir e a chuva a ir...para onde ela queira (faz falta em tantos sítios, meu Deus, mas acho que, por aqui e por agora, nos pode dar umas tréguas...), resolvi ir secar-me no meu varal em Sesimbra, aproveitando este fim-de-semana prolongado.
Até 2ª feira, amigos, divirtam-se, aproveitem bem estes dias e, sobretudo, façam o favor de ser FELIZES!

quarta-feira, 29 de abril de 2009

BLOGAGEM COLECTIVA: O Filme da Minha Vida



Escolher o filme da minha vida não foi tarefa fácil, como é óbvio! Dezenas de filmes pelos quais me "apaixonei" em tantas décadas de vida (claro que não comecei a ir ao cinema quando nasci, mas os meus pais começaram a levar-me às famosas matinées com os meus 6 anos) vinham-me à memória e cada um parecia ter um motivo para ser o eleito.
Até que ficou bem claro que só um conseguiu "prender-me" 3 horas e meia, sem intervalo, numa cadeira, na 1ª fila (os bilhetes estavam sempre esgotadíssimos) e, quando acabou, manter-me ainda sentada uns bons minutos, envergonhada de pertencer ao género humano. Esse filme foi "A LISTA DE SCHINDLER".

Realizado por Steven Spielberg em 1993, o filme conta com as excelentes interpretações de Liam Neeson como Oskar Schindler; Ben Kingsley como Itzhak Stern e Ralph Fiennes como Amon Goeth ( refiro, sómente, os actores principais, mas todo o elenco é excepcional).
Foi filmado em Auschwitz, Jerusalém e Cracóvia.
Indicado para 12 Óscares, em 1994, viria a receber 7. Foi também galardoado com variadíssimos prémios quer nos EUA, quer na Europa.

Não vou resumir a história deste filme porque acho que é sobejamente conhecida de todos vós.
De todos os genocídios da História Mundial, creio que o mais devastador foi o Holocausto nazi. Spielberg consegue, neste filme, mostrar, de uma forma extremamente realista, a perseguição aos judeus na Polónia.
Como foi possível que tal horror,praticado em nome de uma "raça superior", tivesse durado anos? Como é que o ódio, a intolerância, a barbárie, uma ideologia grotesca conseguiram prevalecer durante tanto tempo?
No filme, eu senti o terror da criada judia de Goeth ( o louco psicopata comandante do campo de concentração), o medo da engenheira civil prisioneira morta com um tiro na nuca porque se atreveu a dizer que um projecto não ia resultar, foi em mim que as balas de Amon Goeth acertaram quando, numa manhã, acordou e, enfastiado, decidiu matar um ou dois prisioneiros...
Segundo Spielberg, A LISTA foi filmada a preto e branco para "deixar o filme menos insuportável devido à violência gráfica de algumas cenas". Não chorei pela violência gráfica! Chorei de revolta pela violência emocional e física a que eram sujeitas aquelas pessoas. Transportadas como gado, tratadas como NADA, era-lhes retirada a vontade para que fossem escravos mecânicos, caminhando, pacíficamente, para a SOLUÇÃO FINAL!
Há um ponto de cor no filme: a menina de vermelho, correndo, perdida, no meio dos nazis, quando da evacuação do gueto de Varsóvia. Depois, morta, é levada para a pilha de cadáveres queimados. É o clímax do filme!
A partir daí, Schindler começa a sua corrida contra o tempo na tentativa de salvar gente, tomando a sua vida, também, um rumo completamente diferente.
Todos nós sabemos que Oskar Schindler contou com a ajuda do sábio e inteligente contabilista judeu Itzahak Stern para elaborar a sua famosa lista de cerca de 11oo pessoas. Sabemos que, no início da guerra, o seu objectivo era enriquecer (para mim, era, até, apolítico e amoral) mas isso não lhe tira o valor nem o estatuto de herói, um dos muitos da II Grande Guerra, que arriscaram a vida para salvar vidas.
Mas, mais que a história do homem, o filme de Spielberg é um apelo a que ningúem se esqueça desta IGNOMÍNIA!!!
O final do filme é tão simples como comovente. A homenagem que os descendentes (ou os próprios) fazem à campa de Schindler, colocando pedras e não flores porque, segundo a tradição judaica, "as flores murcham, mas as pedras são eternas!".

"AQUELE QUE SALVA UMA PESSOA, SALVA O MUNDO INTEIRO." - citação do TALMUDE


Algumas frases do filme:

Amon Goeth- "Eles lançam um feitiço, os judeus...Eles têm esse poder, é como um vírus. Alguns dos meus homens estão infectados com esse vírus. Devem ser perdoados, não punidos".

Itzhak Stern- "Esta lista é um bem absoluto. A lista é vida. Tudo ao redor de suas margens é um precipício"

Oskar Schindler- "Eu poderia ter conseguido mais. Eu poderia ter conseguido mais. Eu não sei. Se ao menos... Eu poderia ter conseguido mais."
I.S.- "Oskar, há mais de 1100 pessoas aqui que estão vivas por sua causa. Olhe para elas"
O.S.- " Se eu tivesse feito mais dinheiro... Eu gastei tanto dinheiro. Você não faz ideia. Se ao menos...Eu não fiz o bastante."
I.S.- "Você fez muito!".


Nota final: Passaram mais de 60 anos (quase 64) depois do final da guerra mais mortífera da História Mundial! Aprendemos alguma coisa? Muito pouco.
Os genocídios continuam, em nome das mais variadas coisas e sob os nossos olhares cúmplices. Porquê???
É urgente NÃO ESQUECER, NÃO BANALIZAR A INTOLERÂNCIA E O ÓDIO!

terça-feira, 28 de abril de 2009

FrAgiLiDaDeS...

A noite estava escura e fria. Em casa, ela permanecia quieta, olhando para o écran da televisão sem, na verdade, saber dizer que programa via.
Lá fora, os carros passavam na estrada molhada, numa cadência que quebrava o silêncio da noite escura e fria- tão escura e tão fria!
Estremeceu e levantou-se para ir buscar o velho roupão de lã fôfo e quente com que se tapou, aninhando-se no sofá. Mas a noite manteve-se escura e fria.
Uma lágrima, duas, três rolaram pelo seu rosto moreno. Fechou os olhos e outras deslizaram formando um sulco até à boca. Ao sentir o sabor salgado, limpou a cara com a mão- tão fria!- e abriu os olhos- tão escuros!- decidida a encarar os seus pensamentos.
Acabara! O que quer que fosse que acalentara dentro de si, que amarfanhara e relegara para o mais profundo do seu ser, terminara, inexoravelmente.
Teria alimentado um sonho que pensara partilhado num segredo a dois, julgando descobrir em mil gestos e olhares a cumplicidade desejada ou, simplesmente, a sua fragilidade emocional, na altura, fizera com que exarcebásse a natural simpatia dele?!
Acendeu um cigarro, expirou o fumo, lentamente e ficou a vê-lo desvanecer-se, no ar. Que noite escura e fria! Atiçou o lume na lareira e voltou a enroscar-se no velho e fôfo roupão de lã. O cigarro queimou-lhe os dedos e apagou-o no cinzeiro, num movimento distraído e ausente.
Já não havia magia nem sedução. Só o seu amor próprio profundamente ferido, o seu orgulho de rastos e uma mágoa desmesurada.
De qualquer forma, realidade ou ilusão, fora bom para o seu ego pensar que alguém ainda se deixava tentar pelos seus olhos escuros- tão escuros!- brilhantes, agora, de lágrimas de frustração.
Sentiu o coração apertado e o frio da noite percorreu-a num tremor. Ele já não procurava os seus olhos para neles mergulhar - isso fora sempre real, tinha a certeza - e ela já não sentia o corpo palpitante de prazer, a alma plena de alegria. Ele já não a olhava com doçura e ela afastava-se cada vez mais, fugindo de si própria, negando a verdade, tão dura e tão fria : o que quer que tivera (ou não...), perdera; o que quer que fôra (ou talvez não...), fazia-lhe falta, muita falta!!!
Queria tudo outra vez, sonho ou realidade, que importava isso? Na Terra dos Sonhos não há solidão, tristeza, dor e o amor acontece. Sempre.
Enroscou-se mais no velho roupão de lã - tão fôfo, tão quente! -, fechou os olhos - tão escuros! - e entrou na noite - tão fria!
Repentinamente calma, só o seu coração dorido batia, desordenadamente.
"eu"

segunda-feira, 27 de abril de 2009

O Meu Lado Lunar



Depois de um óptimo fim-de-semana, eis que hoje, o meu lado lunar tomou conta do solar!!!
Bem me rebelei, com todas as forças, mas ... há dias assim (e eu já os conheço bem demais para saber que mais vale repousar e retemperar energias!)...
O simples facto de estar a "teclar" e a olhar para o ecrã do PC está a ser complicado.
Por isso, limitei-me a postar os sempre amavéis comentários, agradecê-los aqui, no geral, e prometer que, logo, logo, vos voltarei a visitar a todos!
Talvez, até, amanhã... who knows???
Beijinhos e abraços.

sábado, 25 de abril de 2009

25 de Abril... SEMPRE!

Para mim, o 25 de Abril será sempre uma data importante!
A revolução dos cravos devolveu-nos a Liberdade de expressão, abriu-nos as portas para o Mundo, acabou com uma guerra sem sentido que matou milhares de jovens no então chamado Ultramar.
Como adolescente que era, ávida de informação, vivi intensamente aquela época e foi extraordinária a vida académica nesses tempos(lembro-me que eramos extremamente participativos quer enquanto estudantes do liceu, quer, depois, na faculdade).
Já antes do 25 de Abril, eu distribuia folhetos no liceu, contra o anterior regime, porque começava a compreender que algo de muito errado se passava no meu País.
Foi o meu tempo de devorar Engels, Marx, Lenine, Mao-Tsé-Tung, Enver Hoxa, ver Bergman, Bertollucci, Fassbinder, Pasolini...tudo o que nos fora negado até aí. Coisas da juventude...
35 anos passados, olho para trás e vejo que muitos erros foram cometidos, erros graves, que ainda hoje pagamos. O meu País deveria estar diferente, muito diferente, muito melhor.
Mas não foi "o 25 de Abril de 1974" que teve culpa! Têm sido os políticos que nós, povo português, democráticamente elegemos, que não têm sabido levar este pedaço de terra à beira-mar plantado, a bom porto!!!

E deixo-vos aqui extractos do poema " As portas que Abril abriu" do grande José Carlos Ary dos Santos que, infelizmente, já não está entre nós. Ele explica um pouco porque é que o 25 de Abril aconteceu.

"Era uma vez um país
onde entre o mar e a guerra
vivia o mais infeliz
dos povos à beira-terra.

Onde entre vinhas sobredos

vales socalcos searas
serras atalhos veredas
lezírias e praias claras
um povo se debruçava
como um vime de tristeza
sobre um rio onde mirava
a sua própria pobreza.

Era uma vez um país
onde o pão era contado
onde quem tinha a raiz
tinha o fruto arrecadado
onde quem tinha o dinheiro
tinha o operário algemado
onde suava o ceifeiro
que dormia com o gado
onde tossia o mineiro
em Aljustrel ajustado
onde morria primeir
o quem nascia desgraçado.

Era uma vez um país
de tal maneira explorado
pelos consórcios fabris
pelo mando acumulado
pelas ideias nazis
pelo dinheiro estragado
pelo dobrar da cerviz
pelo trabalho amarrado
que até hoje já se diz
que nos tempos do passado
se chamava esse país
Portugal suicidado.


.......................................
.......................................

Ora passou-se porém
que dentro de um povo escravo
alguém que lhe queria bem
um dia plantou um cravo.
......................................
......................................

Quem o fez era soldado
homem novo capitão
mas também tinha a seu lado
muitos homens na prisão.
.....................................
.....................................

Foi esta força viril
de antes quebrar que torcer
que em vinte e cinco de Abril
fez Portugal renascer."

sexta-feira, 24 de abril de 2009

CoIsAs de HoMeM ou CeNaS da ViDa DoMéStIcA



O meu marido, homem bastante inteligente, com um cargo profissional que exige dinamismo, capacidade de liderança, de resolução de problemas e de gestão, criatividade, ..., raramente consegue descobrir onde está a sua própria roupa! Acho que, para ele, o ideal seria que as gavetas fossem tão largas que nada tivesse que estar sobreposto, que houvesse só uma camisa por cabide e que, de preferência, roupa de Inverno, de Verão, formal e informal, estivesse toda num montinho e não dividida por secções... (começo a achar que eu é que atrapalho o pobrezinho!).
Depois, tem aquela dificuldade dos homens em geral, com as cores intermédias. Azul é AZUL, bolas! Que é isso de azul-petróleo, azul-bébé, azul-marinho, azul-esverdeado???!!!
Então, é frequente este tipo de situação (nem lhe vou chamar diálogo, né?):
Eu estou bem sentada no sofá, a ver uma daquelas séries tipo CSI, e oiço:
-"Amorinha, o que é que achas que vista amanhã?"
-"Hum???"
-"Vou de fato (terno, para os amigos do Brasil) ou menos formal?"
-"E eu é que sei???"- começo a ficar irritada, estou prestes a saber se o DNA corresponde ou não ao suspeito.
-"Talvez vá mais à vontade. É sexta-feira..."
-"Tu é que sabes."- afinal, não corresponde. Mas ainda há a terra debaixo das unhas da vítima para analisar...
-"Filha, achas que leve aquelas calças amarelas?"
AMARELAS???Nem respondo e começo a contar até 100! A pista da terra também não deu em nada.
-"Estás a ouvir, querida? As calças amarelas?"
-"GIL, TU NÃO TENS CALÇAS AMARELAS!!! SÃO BEIJES!"- foi a do batôn vermelho a assassina, claro, só pode.
-"Então isto não é amarelinho claro????"
Mau, mau, mau... Oiço o barulho dos cabides. Já deve ter descoberto as calças!!! E o teste do batôn deu positivo, boa!
-"Olha e onde é que está aquele pólo castanhinho com uma risquinha creme?"-a voz é tão doce...
-"Na 2ª gaveta da cómoda a contar de cima!- quase grunho. É agora que vão apanhar a tipa...
Silêncio de mais de 1 minuto. Estranho!!!
-"Não estará para lavar?"
É o fim!!! Levanto-me de um salto, vou até ao quarto e, debaixo de outro pólo, qual Grissom do CSI Las Vegas, retiro a prova do crime, triunfante, e entrego-lhe o bendito pólo castanho, sem uma palavra. Se o meu olhar fuzilásse, este texto estaria a ser escrito por uma serial killer!!!


NOTA:
Como desvendei aqui um "segredo" da pessoa que já caminha comigo nesta estrada que é a Vida há 32 anos, vou redimir-me, transcrevendo um post que ele me deixou, um dia destes, neste blog, que visita quase todos os dias:
"Tudo é relativo. Até a vida, que não passa de um minuto de folga que a morte destinada nos dá cada dia. Até viver é relativo. Como morrer, claro. Mas morrer tem menos relatividade. Para lá caminhamos. É necessário que vivamos, com toda a relatividade , esse minuto, cada dia!"
GDB
É por esta sensibilidade (e mais umas outras qualidades que não vou revelar, rsrsrs) que lhe aturo o daltonismo e a falta de vista!!!

quinta-feira, 23 de abril de 2009

Cartas e bilhetinhos de Amor ( Iniciativa da Lília do blog "ARCO ÍRIS DA VIDA")


Acho estas iniciativas da Lília muito giras (às 4ªs, o Clube dos Desabafos e às 5ªs, Cartas e Bilhetinhos de Amor)!
Levam-nos a interagir e a "soltar" os sentimentos. Sou um bocado reservada mas, de facto, assim, "blogando" começo a sentir que posso abrir-me, sem que me julguem ou critiquem, pela negativa. Pelo contrário, as palavras que me deixam, são sempre de estímulo, incentivo, ajuda para que eu aprenda mais coisas e isso é muito gratificante porque o que eu quero, tão sómente, é ser uma pessoa Melhor!!!
Deixei a minha declaração de Amor, rssss, no blog da Lília, mas, segundo ela, a ideia é, também, deixarmos mensagens nos blogs uns dos outros.
Na impossibilidade de ir, pessoalmente, visitar cada um de vós (hoje, especialmente, estou mesmo sem tempo!!!!) deixo aqui outro tosco selinho (ai, Ellen, amiga, sou mesmo um caso perdido de falta de jeito!) para quem o quiser levar.
Porque a amizade é, para mim, uma forte componente do Amor e, sem Amigos, atravessar desertos seria tão mais difícil...
Um beijo com muito carinho e amizade para todos vós!
PS: Se não levarem o selo, eu entendo! Este mamarracho estraga a estética de qualquer blog. Mas fica a intenção, rsssssssssssssssssss.

Selo "Blog da Reformada"

A minha amiga Ellen criou um selo delicioso, especialmente para mim, com a criatividade que tão bem lhe conhecemos!
Mais uma vez quero agradecer-lhe, públicamente, a sua amizade, ajuda e incentivo.
Por sua sugestão, que eu achei óptima, vou repassá-lo a quem for, como eu, um(a) alegre e feliz reformado(a). Podem vir buscá-lo!!!
Um beijo enorme para ti, Ellen.

PS: Adoro o meu selo!!!
Como os blogs da Ellen são fantásticos, quando clicarem no selo, vão lá ter, directamente e...deliciem-se!!!

segunda-feira, 20 de abril de 2009

PrOfIsSãO: REFORMADA??!!

A reformada do séc. XXI

Sempre que tenho que preencher algum formulário em que me perguntam a profissão fico na dúvida sobre o que hei-de escrever!!!
Quando existe a bendita opção de colocar a cruzinha numa das hipóteses já enumeradas, respiro de alívio, coloco o X em "OUTRAS" e sigo, gloriosamente, em frente. O busílis da questão é quando o espaço está em branco à espera da palavrinha (ou palavrinhas) que define a minha situação laboral na sociedade.
Ora bem, FUI professora de Matemática durante cerca de 30 anos, ao serviço do Estado (trocando por miúdos, fui funcionária pública e pronto!) e estou REFORMADA!!!
A questão que se põe é que não gosto da palavra reformada, primeiro porque não é nenhuma profissão e, segundo, porque pressupõe que me sujeitei a uma reforma, coisa que não é de todo verdade, principalmente porque as cirurgias plásticas estão pela hora da morte e os cremes (que eu não uso, rsrs) só são milagrosos no sentido em que nos tiram do bolso, como por milagre, umas boas centenas de euros... e o montante da minha reforma não estica, milagrosamente!!!
Há uma outra hipótese, que também não me agrada especialmente: pensionista! Esta ainda é pior, livra! Parece que estou a viver numa pensão, daquelas que existem em catadupa na Av. da Liberdade, na Almirante Reis e quejandas: "Quartos com banho, águas quentes e frias" ou, melhor ainda, "Aluga-se quartos, zimmers, rooms, chambres"... Por enquanto, vá lá, ainda tenho o aconchego da minha casinha!
Vamos à próxima: aposentada. Credo, fui de castigo para os meus aposentos, pronto! E eu lá sou mulher de aposentos. Na minha tortuosa cabecinha, surge-me logo a imagem das damas dos séculos passados bordando e tomando chá com as amigas nos seus aposentos (nem bordo nem aprecio chá, que raio de mulher sou eu???).
Próxima opção, talvez a menos má: ex-professora. Isto dá azo a muitas conjecturas: terá sido expulsa? ganhou o euromilhões e deixou de trabalhar? o marido virou empresário? assaltou um banco? meteu-se na política? abriu um negócio? Não, é melhor não ir por aqui!!!
Estão a ver o problema que eu tenho para responder a uma questão aparentemente tão simples???!!! Pois é, nunca tinham pensado nisso...
Sabem que mais, se calhar o melhor era nunca ter trabalhado mesmo. Assim, escreveria simplesmente: Nunca fiz nada na vida! e tinha o assunto resolvido, rsrsrs!!!
NOTA: Um beijo muito grande de admiração e respeito para todas aquelas mulheres que, tal como a minha querida mãe, não trabalham fora de casa mas, dentro dela, são gestoras, educadoras, faxineiras, cozinheiras, psicólogas... e muito mais, sem remuneração!!!

PrÉmIo: Este blog é interessante e vale mesmo a pena!!


A minha amiga Ellen, sobejamente conhecida por todos vós, por mérito próprio (tem 2 blogs fantásticos: "eelleenn" e os "meus miminhos") decidiu atribuir-me este prémio!
Só posso agradecer-lhe imenso, embora ache, sinceramente, que são os seus olhos de amiga que assim veêm este meu "cantinho"!!!
De qualquer forma, fiquei muito contente e orgulhosa ( só podia, rsrs!!!!!!) e espero continuar a não desiludir a minha "professora"!

Talvez um dia...


Talvez um dia desnude
minha alma, sem pudor
abra meus mundos ao Mundo
num acordar redentor.
Talvez um dia liberte
sentimentos, frustrações,
angústias, lamentações,
gritos, sonhos, fantasias
me reinvente no Espaço
e, no tempo de um abraço,
tire a minha máscara de aço
para ser Eu, sem temor!
Talvez um dia aconteça
o que tem que acontecer
que a Terra gire ao contrário
para eu com ela renascer.
Talvez um dia haja um Tempo
onde eu me possa encontrar
sem ter medo de falhar
sem sentir que fui feita
apenas para ser perfeita
e que nunca posso errar!
Talvez um dia consiga
viver sem inquietação
não ceder nunca à pressão
ultrapassar toda a mágoa
sem os olhos rasos de água.
Talvez um dia eu aceite
as minhas idiossincrasias
sem farsas nem ironias.
Trilho um caminho escolhido
com a bagagem do que fui.
Não me assusta o desconhecido
porque sei que o futuro flui
entre o sonho adormecido
e cada dia vencido
na procura incessante
da harmonia do "SER"!
Por isso, talvez um dia,
seja criança outra vez
peça um beijo e um desejo,
feche os olhos bem fechados
e conte logo até três...
"eu"

quinta-feira, 16 de abril de 2009

A MaT3MáTiCa É Po3siA!


Porque ensinar Matemática foi uma paixão e ajudar a descobrir a sua beleza, uma causa...aqui vos deixo este poema de MILLÔR FERNANDES, que acho fantástico!

Espero que gostem, mesmo que esta ciência maravilhosa não seja a vossa "praia"!!!



POEMA


Um Quociente apaixonou-se
Um dia
Doidamente
Por uma Incógnita.

Olhou-a com seu olhar inumerável
E viu-a, do Ápice à Base...
Uma Figura Ímpar;
Olhos rombóides, boca trapezóide,
Corpo ortogonal, seios esferóides.

Fez da sua
Uma vida
Paralela à dela.
Até que se encontraram
No Infinito.

"Quem és tu?" indagou ele
Com ânsia radical.
"Sou a soma do quadrado dos catetos.
Mas podes chamar-me Hipotenusa."

E de falarem descobriram que eram
O que, em aritmética, corresponde
A alma irmãs
Primos-entre-si.

E assim se amaram
Ao quadrado da velocidade da luz.
Numa sexta potenciação
Traçando
Ao sabor do momento
E da paixão
Rectas, curvas, círculos e linhas sinusoidais.

Escandalizaram os ortodoxos
das fórmulas euclidianas
E os exegetas do Universo Finito.

Romperam convenções newtonianas
e pitagóricas.
E, enfim, resolveram casar-se.
Constituir um lar.
Mais que um lar.
Uma Perpendicular.

Convidaram para padrinhos
O Poliedro e a Bissectriz.
E fizeram planos, equações e
diagramas para o futuro
Sonhando com uma felicidade
Integral
E diferencial.

E casaram-se e tiveram
uma secante e três cones
Muito engraçadinhos.
E foram felizes
Até àquele dia
Em que tudo, afinal,
se torna monotonia.

Foi então que surgiu
O Máximo Divisor Comum...
Frequentador de Círculos Concêntricos.
Viciosos.

Ofereceu-lhe, a ela,
Uma Grandeza Absoluta,
E reduziu-a a um Denominador Comum.

Ele, Quociente, percebeu
Que com ela não formava mais Um Todo.
Uma Unidade.
Era o Triângulo,
chamado amoroso.
E desse problema ela era a fracção
Mais ordinária.

Mas foi então que Einstein descobriu a Relatividade.
E tudo que era espúrio passou a ser
Moralidade
Como aliás, em qualquer
Sociedade.

quarta-feira, 15 de abril de 2009

Finalmente... CONSEGUI!!!

Depois de não sei quantas tentativas (foram muitas, garanto-vos!) consegui, finalmente, criar um selinho para oferecer a todos aqueles que passarem por este blog.
O pobre do selo ficou um bocadinho tosco, reconheço, mas dei o meu melhor e foi feito com muito carinho.
Poderia dizer que a minha intenção era que o selo ficasse com este aspecto naïf, mas não, saíu mesmo assim, apesar de todos os meus esforços para o melhorar!!!
Talvez o próximo (com mais umas boas horas de treino, rsrs!) saia mais elaborado.
Até lá, levem este, se quiserem, claro, com a minha amizade e gratidão...porque um café e um sorriso caem sempre bem!

TERTÚLIA VIRTUAL: "O PrAzEr de... Ir SeR AVÓ!"

A minha amiga Ellen, que muito me tem ajudado nestas andanças bloguistas, incentivou-me a participar na Tertúlia Virtual! Há uma primeira vez para tudo e, por isso, aqui estou eu a dar o meu modesto contributo.
Como já devem ter percebido, ando completamente extasiada com o facto de ir ser avó!!! Por isso, não vos vai espantar que, ao pensar no tema PRAZER, me tenha sentido imediatamente levada a partilhar convosco o imensurável deleite que sinto desde que a Inês me anunciou que ia ser mãe!
Talvez por ser filha única, sempre fui muito maternal e desejei ter muitos filhos (daí os 3 e não são mais porque...). O meu primo mais novo, do qual tenho uma diferença de 16 anos, é meu afilhado e foi com ele que me "iniciei" nas lides maternas... Depois vieram os meus "herdeiros" mais velhos, os filhos dos primos que, carinhosamente, me chamam "titi" e o meu benjamim!
O meu colo raramente tem estado vazio e isso, para mim, é um PRAZER imenso!!!
Também a minha vida profissional esteve recheada de crianças/jovens durante cerca de 30 anos. Fui professora de Matemática e, de uma maneira diferente, também "dei colo" a centenas de meninos entre os 10 e os 17 anos...
Mas...ser avó é diferente!!!
Eu sabia que ia ficar em êxtase quando soubesse que o ia ser mas, sinceramente, apesar de tudo o que ouvia e lia, nunca pensei que fosse possível ficar tão apaixonada por uma "feijoquinha" que não está a crescer dentro de mim!!!É que já estou dependente da Beatriz e ela ainda nem nasceu...A minha neta faz parte do meu presente e, acima de tudo, do meu futuro!
Estou grávida novamente...de coração!!!


quarta-feira, 8 de abril de 2009

You've got a friend!

Enquanto não sei retribuir os selos e miminhos com que tenho sido presenteada, aqui deixo um vídeo de uma música que diz bastante sobre a amizade e que dedico a todos aqueles que têm passado por este blog!
Porque a amizade não se agradece... simplesmente, retribui-se!!!


Carta à minha neta que vem aí...


Ainda não nasceste, Beatriz, e já iluminas os meus dias!

És VIDA a crescer no ventre da tua mãe, minha filha amada, agora prenha de ventura e felicidade.


És Esperança!

És Amor!

És Alegria!

És Futuro!

És Sonho tornado Realidade!


Quero ensinar-te tanta coisa, Beatriz... porque brilham as estrelas, porque é que o Céu é azul, porque não tem fim o mar...
E vamos pintar a Lua, fazer castelos na areia, agarrar o imaginário e brincar ao faz de conta!
Vou ler-te histórias de fadas e princesas encantadas, contos de bruxas malvadas que acabam castigadas porque deve ser assim!!!
Vou embalar-te em meus braços, dar-te mimos e abraços porque avó é mesmo assim... Vou reviver a doçura que é ter o meu colo cheio com um bébé a dormir!
Vou voltar a ser criança, vamos jogar à apanhada, vamos correr e saltar e dar mergulhos no mar...
Quero ajudar-te a crescer, Beatriz, saudável, alegre, feliz... mas, acima de tudo, quero que aprendas a amar e a partilhar!

Beijo no coração,

Avó

terça-feira, 7 de abril de 2009

SeReia ou BaLeia?!

Mais um email que recebi e que não resisto a partilhar!!! Verão porquê...

"Há uns dias, numa cidade de França, um cartaz, com uma jovem espectacular, na montra de um ginásio, dizia:"ESTE VERÃO, QUERES SER SEREIA OU BALEIA?" Dizem que uma mulher jovem-madura, cujas características físicas não interessam, respondeu à pergunta publicitária nestes termos:
"Estimados Senhores: As baleias estão sempre rodeadas de amigos (golfinhos, leões-marinhos, humanos curiosos). Têm uma vida sexual muito activa, engravidam e têm baleiazinhas ternurentas, as quais amamentam. Divertem-se à brava com os golfinhos, enchendo a barriga de camarões. Brincam e nadam, sulcando os mares, conhecendo lugares tão maravilhosos como a Patagónia, o mar de Barens ou os recifes de coral da Polinésia.As baleias cantam muito bem e até gravam CD's. São impressionantes e practicamente não têm outros predadores além dos humanos. São queridas, defendidas e admiradas por quase toda a gente. As sereias não existem. E, se existissem, fariam fila nas consultas dos psicanalistas, porque teríam um grave problema de personalidade, "mulher ou peixe?".Não têm vida sexual, porque matam os homens que delas se aproximam, além disso, por onde? Por isso, também não têm filhos. São bonitas, é verdade, mas solitárias e tristes. Além disso, quem quereria aproximar-se de uma rapariga que cheira a peixaria?Para mim está claro, quero ser baleia.

P.S.: Nesta época em que os meios de comunicação nos metem na cabeça a ideia de que apenas as magras são bonitas, prefiro disfrutar de um gelado com os meus filhos, de um bom jantar com um homem que me faça vibrar, de um café e bolos com os meus amigos. Com o tempo ganhamos peso, porque ao acumular tanta informação na cabeça, quando já não cabe, espalha-se pelo resto do corpo, por isso não estamos gordas, somos tremendamente cultas. A partir de hoje, quando vir o meu rabo no espelhos, pensarei, Meu Deus, que inteligente que sou..."

É urgente que haja mais gente a pensar desta forma porque a anorexia mata e cada vez mais há jovens a padecer desta doença muito por culpa, na minha opinião, dos media que apelam para a mulher magérrima como o ícone da beleza feminina!!!

quarta-feira, 1 de abril de 2009

Um email que vale a pena partilhar...

Hoje recebi um email que me comoveu imenso e não resisto a partilhá-lo convosco.
Passo a citar:

" Estamos precisando de imagens como essas, de força, amor incondicional, determinação, de vitórias, de sorrisos. De alguma coisa que nos comova no sentido positivo. Que nos faça ver como se pode ser feliz com o que se tem, sem queixas.
Chega de notícias de massacres, de mortes, de políticos corruptos...
Há tanto mais que apreciar e valorizar!

Uma história verdadeira
Um verdadeiro pai herói que participa no Hironman, uma prova que exige nadar 4 km, andar de bicicleta e correr... Tudo isso com o seu querido filho. Quanto amor! É fantástico!!!"
Vejam o vídeo... De certeza que vos vai fazer repensar, como a mim, o que é realmente importante na vida.